Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

21/04/2014 - 01:33

Tempo: 25 °C - Nuvens Dispersas
Ventos: Leste-Nordeste, 5.6 km/h
Umidade: 89 %

Sticker bomb: nova moda de customização veicular sobrepõe adesivos

Sticker bomb: nova moda de customização veicular sobrepõe adesivos

 

Esqueça o "preto fosco" e os adesivos "família feliz". A nova moda de personalização veicular é o sticker bomb. A técnica é simples: sobrepor adesivos até cobrir uma parte do carro. "É um processo e material semelhantes ao do envelopamento (veicular) " explica Anselmo Blois, 32, dono da empresa Sticker Bombs, que há oito meses registrou o produto no país.

Comum nos Estados Unidos e no Japão, o sticker bomb nacional é feito com um adesivo único, impresso com diversas imagens, e cortado de acordo com a peça que será coberta. "É uma evolução do envelopamento, sem trazer prejuízos para o veículo e motorista", diz Daniel Paraíso, 24, proprietário da New Style, empresa de personalização veicular, localizada na zona sul de São Paulo.

"Antes, a 'última' moda era o preto fosco. O problema é que alterar a cor do veículo pode trazer problemas ao motorista com a documentação. Com o sticker bomb isso não ocorre", afirma Douglas Rodrigues de Oliveira, 33, dono da Criativos Companheiros, loja de personalização de carros, da zona leste paulistana.

Apenas algumas partes do veículo ou moto recebem os adesivos. Colunas, para-choques, retrovisores, capôs e o painel interno são os locais mais comuns. Entre as estampas, há modelos inspirados em grafites ou que remetem a marcas - ligadas ou não ao mundo automotivo.

O preço dos adesivos varia de R$ 18 a R$ 170 - dependendo do tamanho e do material. "Comercializamos dois tipos de stickers. Um deixa resíduos após a remoção e o outro, não", diz Blois. Além disso, ainda há o custo da mão de obra da instalação: em média R$ 80 nas lojas paulistanas.

 

Folha





Enquete

Você preserva o hábito de não comer carne na sexta-feira Santa?:

 

ChegAí!


E-mail: