Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

17/12/2017 - 03:11

Sao Luis: Céu Limpo, 26 °C

Nuzman é preso por fraude na escolha do Rio para as Olimpíadas

Nuzman é preso por fraude na escolha do Rio para as Olimpíadas

Oficiais da Polícia Federal (PF) prenderam, na manhã desta quinta-feira (5), o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Rio 2016 , Carlos Arthur Nuzman, e Leonardo Gryner, diretor geral  do comitê da Rio 2016 e braço direito de Nuzman no COB.

A prisão é parte da Operação “Unfair Play - Segundo Tempo”, em continuidade às investigações sobre possível compra de votos para a escolha da cidade do Rio de Janeiro pelo Comitê Olímpico Internacional como sede das Olimpíadas de 2016.

Os investigadores de PF, Ministério Público Federal e Receita Federal - com auxílio das autoridades francesas - apontam Nuzman como elo entre o pagamento da propina de US$ 2 milhões para Papa Massata Diack através do empresário Arthur Soares, o "Rei Arthur", que está foragido.

Vinte policiais federais cumpriram dois mandados de prisão temporária e seis mandados de busca e apreensão, expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal/RJ, na cidade do Rio de Janeiro (Ipanema, Leblon, Laranjeiras, Centro).

Os presos serão indiciados por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

No último dia 5 de setembro, A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) cumpriram dois mandados de prisão preventiva e onze de busca e apreensão, nas cidades do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu (RJ) e em Paris, na França, na primeira etapa da Operação Unfair Play.

A operação envolve uma cooperação internacional com a França e com os Estados Unidos. Um dos alvos de busca e apreensão foi o presidente de Carlos Nuzman, mas permaneceu calado em depoimento.

Segundo a PF, as investigações começaram há nove meses em Paris sobre suspeitas de corrupção no processo de seleção das sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e de 2020. O pagamento das propinas era feito por meio de entrega de dinheiro em espécie, celebração de contratos fictícios, pagamento de despesas pessoais e transferências de contas de doleiros.

Com informações da Polícia Federal.
 





Enquete

Você é a favor do Uber ou outros aplicativos de transporte em São Luís?:

 


E-mail:

greg