Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

21/09/2019 - 09:27

Sao Luis: Algumas Nuvens, 28 °C

CPI das Fakes News quer ouvir WhatsApp, Google, Youtube, Twitter e Telegram

CPI das Fakes News quer ouvir WhatsApp, Google, Youtube, Twitter e Telegram

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News se reúne nesta terça-feira (10), às 14h30, para votar seus primeiros requerimentos. Entre eles estão a convocação dos representantes legais no Brasil do Whatsapp, Google, Instagram, Youtube, Twitter e Telegram — empresas responsáveis por redes sociais, meios de distribuição de notícias entre a população —, além dos responsáveis pelo site noticioso The Intercept Brasil.

“Em busca de informações que elucidem fatos sobre o objeto determinado pela CPMI, é imprescindível contar com aquelas advindas de pessoas que ocupam funções importantes nas empresas que, por sua posição dentro do fluxo comunicacional, podem conter elementos que colaborem com as investigações”, explicou a deputada Luiziane Lins (PT-CE), autora dos requerimentos na comissão mista.

Também há pedido para que seja ouvida a professora universitária e blogueira feminista Lola Aronovich, alvo de uma campanha cibernética difamatória e perseguição física no Ceará.

A CPI das Fake News vai investigar a criação de perfis falsos e ataques cibernéticos nas diversas redes sociais, com possível influência no processo eleitoral e debate público. A prática de cyberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis também será investigada pelo colegiado, assim como o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.

A comissão parlamentar de inquérito é presidida pelo senador Ângelo Coronel (PSD-BA) e tem como relatora a deputada Lídice da Mata (PSB-BA).

A reunião está marcada para o Plenário 19 da Ala Alexandre Costa.

Fonte: Agência Senado.

Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado.





Enquete

Você é a favor da Reforma da Previdência?:

 

E-mail:

greg